DEPENDÊNCIA QUÍMICA (ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS)


A dependência química pode ser definida como um conjunto de fenômenos comportamentais, cognitivos ou fisiológicos que surgem após o uso repetido de determinada substância. Ela pode ser psicoativa cognitiva (tabagismo, bebida alcoólica ou cocaína, por exemplo), substâncias opiáceas (drogas naturais ou sintéticas) ou um vasto conjunto de substâncias farmacologicamente diferentes.
As drogas acionam o sistema de recompensa do cérebro, área que recebe estímulos de prazer e transmite essa sensação para todo o corpo. Essa ilusão química de contentamento induz a pessoa a repetir o uso compulsivamente. Com isso, todas as fontes naturais de prazer perdem o significado.

Causas

A dependência química é uma doença crônica na qual vários fatores contribuem para seu desenvolvimento. Isso inclui a quantidade e frequência de uso da substância, condição de saúde do indivíduo, questões genéticas, psicossociais e ambientais.

Sinais de que existe dependência química

Algumas pessoas confundem dependência com o uso de uma droga. É importante entender que nem todo usuário é dependente, mas todo usuário corre o risco de se tornar dependente.

O que caracteriza uma dependência química é:

  • Perda de controle do uso, quando o dependente não consegue interromper ou uma vez que começa a usar não consegue mais controlar a quantidade;
  • Substituição progressiva de atividades importantes como, por exemplo, lazer e trabalho, pelo uso da droga;
  • Persistência do uso da droga apesar de suas consequências negativas;
  • Presença de uma vontade muito grande, quase incontrolável, de usar a droga em qualquer momento do dia ou da noite.

Sintomas de abstinência

Após um período sem usar a droga, o dependente pode apresentar sintomas como:

  • Sudorese;
  • Tremores;
  • Ansiedade.

Diagnóstico

Para diagnosticar a dependência é importante que o indivíduo procure ajuda com profissionais. Principalmente quando ocorrem situações em que a substância influencia negativamente a saúde física, a rotina, as funções acadêmicas ou profissionais e as relações pessoais.

Na avaliação médica, uma cuidadosa entrevista clínica é feita, assim como exames (marcadores biológicos) para indicação fisiológica da exposição ou ingestão de drogas. No caso das bebidas alcoólicas, por exemplo, vale citar os testes alanina aminotransferase (ALT), volume corpuscular médio (VCM) e o gama-glutamiltransferase (GGT). Além disso, é realizado um exame físico e análise dos sinais/sintomas que auxiliam na identificação do problema.

Tratamento e recuperação

As estratégias de tratamento são elaboradas de acordo com o perfil do dependente químico, a fim de promover sua integração à família e à sociedade. Basicamente, o tratamento consiste em parar de usar a droga e se manter em abstinência.

O processo terapêutico depende da vontade do paciente. Dessa forma, pode ser realizado em ambientes como, por exemplo, clínicas, comunidades terapêuticas e hospitais especializados.

O processo de recuperação envolve reabilitação, reaprendizagem ou restabelecimento da capacidade de se manter saudável. O objetivo é o mesmo em qualquer caso: aprender ou reaprender a ter um estilo de vida positivo em que as drogas não se façam presentes. Além disso, envolve uma mudança na maneira como os indivíduos percebem a si mesmos no mundo.


Logo-Vera-Cruz-branco

Este é o nosso compromisso - Tratamento eficaz, atenção personalizada, ambientação afetiva, integração com familiares e financiadores, reinserção social.

Copyright by Vera Cruz 2019. All rights reserved.